Texto por Colaborador: Redação 16/05/2024 - 00:15

O relatório de quarta (15) do Corriere dello Sport afirma que a situação financeira da Roma não é tão má como era no ano passado.

Ao longo da temporada passada, o clube da capital deu grandes saltos nos lucros do estádio e das competições europeias, bem como em parcerias e patrocinadores, graças ao trabalho de Dan e Ryan Friedkin e da CEO Lina Souloukou.

O jornal cita esta como a principal razão pela qual a Roma poderá finalmente operar mais livremente no mercado, sem a pressão do Acordo de Compensação e do Fair Play Financeiro da UEFA.

Segundo o jornal, a Roma poderá ser obrigada a gerar apenas 10 milhões de euros em receitas com a venda de jogadores até ao final de junho, talvez ainda menos com base nas análises que a direção dos Giallorossi está a definir nos últimos dias antes de chegar ao valor exato.

A venda de Roger Ibanez (que não constava no balanço do ano passado) será um grande impulso neste sentido.

Além disso, o clube da capital começará imediatamente a trabalhar na redução da massa salarial, o que resultará numa situação financeira mais saudável e sustentável.

Mas, essencialmente, do trabalho realizado em 2023, emerge um optimismo considerável sobre as perspectivas económicas dos ciganos para o futuro, naturalmente a partir da próxima época.

romapress

Categorias

Ver todas categorias

Roma acerta em manter De Rossi para a próxima temporada?

Sim

Votar

Não

Votar

72 pessoas já votaram